segunda-feira

Tubarões do Recife


O FUTURO É AQUI

É impressionante como ainda não apareceram ONGs e eco-chatos para defender os tubarões. Falta pouco. Afinal, os coitadinhos estão famintos. Se demorar muito, alguma ONG vai dizer que a culpa é dos banhistas que entram no mar sem levar um pedaço de bife. Espero que tubarões gostem de sardinha enlatada, porque bife aqui em casa não tem nem para mim.

Mais um pouco e chega outra ONG para dizer que praia é coisa do passado. Em pleno século XXI, com a ciência estudando clonagem e viagens no tempo, por que você ainda quer tomar banho de mar com a família? Mar, essa coisa retrógrada, poluída, salgada.

O negócio agora é montar praia artificial, que nem a reportagem da Veja (aquela revista ética e socialmente engajada) mostrou com os piscinões europeus. Fecham uma área da cidade, jogam toneladas de areia, montam barracas de bebidas, plantam umas palmeiras e pronto. Vira uma praia com validade até o final do verão. É a versão estilizada do Piscinão de Ramos. Dúvida crucial: na Europa tem espetinho?

Já que o Brasil é país do futuro, provavelmente do seu futuro, porque do meu não vai dar mais tempo, então vamos todos nos adaptar ao novo conceito de praia: é a praia que não é praia, mas é praia.

Os eco-chatos vão fazer manifestações com bandeiras e faixas, nos encorajando a visitar os piscinões em algum bairro nobre da cidade. Tudo limpo e seguro. Ao menos até o primeiro arrastão do futuro, que também não será um arrastão, mas será um arrastão.

Não vai demorar e o país do futuro terá praias do futuro com área VIP: ar-condicionado para a mesma galera do bem que hoje patrocina a produção dos filmes em que somos figurantes. Assim, eles poderão ir à praia sem calor e sem se melar de areia. E sem perder o voto, é claro. Porque por aqui é assim: nóis sofre mas nóis goza.

Não vai ter tubarão, mas certamente as baleias continuarão à solta. Ora, se é para mudar, então é melhor proibir baleia de ir à praia. Principalmente baleias que insistem em usar biquíni. É uma agressão à natureza. Em especial à natureza humana.



Por PAULO REBÊLO, matéria especial para o Pernambuco.com

Santa Joana D arc


Maio, mês de Santa Joana D arc (Mátir)

Santa Joana D'Arc nasceu em Domrémy, em Lorena, França, em 1412. Filha de camponeses, tinha 13 anos quando "ouviu" o misterioso convite para que fosse libertar a França, já quase toda dominada pelos ingleses. Somente quatro anos depois, aos 17 anos, é que, em obediência às vozes, deixou a casa paterna e partiu para Chinon. Com trajes masculinos e cabelos cortados apresentou-se a Carlos VIII. Após muita hesitação, o rei confiou-lhe um pequeno exército. Joana D'Arc partiu então para Orléans, sitiada pelos ingleses. Obteve ali a primeira de uma série de vitórias, culminando com a coroação de Carlos VII em Reims. Sentindo-se ameaçado pela popularidade da santa, Carlos VII retirou-lhe o apoio e celebrou um armistício com os ingleses. Indignada, Joana D'Arc recomeçou a luta, mas foi vítima de uma emboscada. Prisioneira do Conde de Luxemburgo, foi vendida para os ingleses. Num processo iníqüo, conduzido por cerca de cem prelados e teólogos, foi condenada a ser queimada viva. A acusação: ... mentirosa, exploradora do povo, blasfemadora de Deus, idólatra, cruel, dissoluta, invocadora de diabos, herege e cismática. Impedida de recorrer ao Papa, Joana D'Arc foi condenada às chamas em Rouen. Era dia 30 de maio de 1431. Entre 1450 e 1456, o seu processo foi revisto e declarada sua inocência. Foi canonizada em 1920, por Bento XV.